terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Limiar de analogia


O mar, que recebe a ria, que recebe o rio, 
que recebe os ribeiros, que recebem as fontes 
ou as fontes, que correm para os ribeiros, 
que correm para o rio, que corre para a ria, 
que corre parra o mar. 
E eu, que não recebo nada e que corro 
para todo o lado, sem saber para onde, 
já não sei bem como. 


 [massivo]



1 comentário:

  1. O mar que se carrega na alma... que carrega todos os lugares, pessoas e sentimentos, que mais nos marcaram... e para o qual sempre se arranja alguma analogia... na forma de poesia... com alma...
    Mais um belo poema... que não conhece limiares em matéria de talento...
    Beijinho! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar