sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

O aparte da chegada da manhã


Mesmo a maior das noites, a mais fria, a mais insone, 
a mais silenciosa, a mais escura, a mais assustadora… 
será, apenas, mais uma noite, enquanto chegar a manhã, 
como uma verdade óbvia. E, como verdade óbvia, 
talvez não passe de uma esquiva estupidez 
escrevê-lo, dizê-lo, pensá-lo. Mas faz-me sentir bem 
sabê-lo e, talvez, expressá-lo, ou imaginá-lo, o torne real. 


 [massivo]



1 comentário:

  1. E no entanto... a noite torna-se necessária... para que chegue um novo dia... cheio de possibilidades... que diluam as angústias da noite...
    E felizmente que o talento não dorme... resultando em mais um excelente poema...
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar