quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

brilhos de consumação

  




consumada vai a vida que extenua
consumada como eu e a minha lua
avizinha-se o novo inverno
a rua fala-me de natal e agitação
do natal me fala o coração
um momentâneo brilho eterno
soluto de termos desiguais e demarcado
outono que se despede quase consumado
 
 
 
 

1 comentário:

  1. E de poesia vou afagando o cansaço da alma...
    Abraços

    ResponderEliminar