domingo, 29 de dezembro de 2013

limiar




aguardo e guardo 
zelado pelo sol na faixa ocidental 
até ao ocaso se transformar em casualidade 
acautelado pela lua original de nascente 
o horizonte é tão sensorialmente próximo 
mas é sempre mais e mais distante 
e eu sempre aquém na orla do povoado 
da sociedade crescente 
de crença minguante 
tão litoral nas encostas da serra queimada 
e tão interior na beira-mar erodida 
alheio-me na brisa de um e de outro 
para me fundar na determinação da noite 


   

6 comentários:

  1. Maravilhoso, Henrique! E que linda paisagem...
    Que teu 2014 seja feito de paisagens assim.

    ResponderEliminar
  2. Oi Henrique
    Sempre sonhamos com novos horizontes mesmo sabendo de antemão que são só 'horizontes'_ como dizes tão próximos e tão distantes.
    Que possamos sempre 'aguardar' , 'guardando' o que melhor nos aprouver e tendo olhos pra ver e tocar os 'horizontes' que estão pertinhos de nós,
    Obrigada pela poética sempre incrivelmente linda.
    Um Ano Novo de muita Paz e Saúde!
    Felizes dias em 2014.
    abraços

    ResponderEliminar
  3. Belas poesias em seu blog,parabéns! Gostei de ler! Um ano de muitas alegrias a vc! bjs,

    ResponderEliminar
  4. Não deixes que "a crença seja minguante", o sol e a lua nascem para te mostrar que quando algo acaba é porque algo vai recomeçar mas é preciso deixar a porta aberta,
    Deixa a porta aberta para o novo ano que se aproxima, não acredito que deixaste de ser sonhador , só sonhando podemos acreditar.
    Beijinho de Boas Festas

    ResponderEliminar
  5. Tbm lhe desejo Henrique um ano de saude e paz... e que todas as coisas que vc desejar se realizem... que seja um ano bom para vc e os seus...

    ResponderEliminar