quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

condição

   


ficaria ali indeterminadamente
imóvel
fustigado pelo vento gélido
a olhar para o horizonte
para os confins da instrução do mar
mas a noite apagou o traço e a linha
e agora estou em parte incerta


   

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  2. Sobre os meus comentários anteriores, que apaguei: A embrulhada era de tal ordem que nem com emendas sobre emendas... Desculpa, Henrique! Senti necessidade de por ordem no discurso.
    O que eu quero dizer sobre o "post": Por vezes ficamos expostos às condições extremas, mas há um momento em que já não é possível... E partimos, mesmo sem saber para onde, ou vivemos essa sensação de partir, ainda que possamos permanecer no mesmo lugar.
    Senti na pele o frio, num lugar junto ao mar, com o olhar distante, em reflexão, e a noite a chegar, a por um ponto final.
    Gosto do poema e da imagem.
    Bjks
    :)

    ResponderEliminar