terça-feira, 18 de março de 2014

urbe VI




permanecer atracado no jardim
ensimesmado num sorriso primaveril
enquanto o chão é uma maré viva
numa respiração lenta e coordenada
observar o movimento das opiniões
que descansam durante a noite
e que formam ondas encapeladas
em ruas que se esvaziam
numa linguagem peculiar
e ser o ponto de encontro
das palavras que se precipitam
das palavras que se receptam
num fim de tarde que é um absurdo
as pombas estão indiferentes
as pombas estão diferentes

 [17 de março de 2014]




Sem comentários:

Enviar um comentário