quarta-feira, 19 de março de 2014

urbe VIII


café majestic


nada fazia prever o tumulto das palavras
na deriva de pensamentos demorados
que andavam tão cansados da chuva
como do calor do dia que despertou as flores
a história pode ser um lugar ambíguo
por vezes repleta de vizinhos desconhecidos
contidos em duas realidades distintas
e de vertigens de cidade na penumbra
estava mais ou menos sentado ao fundo
do café circunstancial onde escorre o tempo
a pensar no futuro do desgostar e da morte
pergunto-me desde quando mudaram o sentido
das ruas adjacentes onde tudo é breve e expirante
e sobre qual será o destino e o porvir do sofrimento
onde a pele suspira ligeira e demoradamente
o tempo esconde-se arrepiado atrás do espelho




Sem comentários:

Enviar um comentário