segunda-feira, 3 de março de 2014

numa plantação de distância




eu não vi a rua por onde passo tantas vezes
a ria deserta aguarda por mim nos canais em extinção
desprovidos das marés por uma parábola de neblina
eu não espero a ria que não pode vir
assim como o ocaso que perdi num eclipse de oportunidade
as palavras desarrumadas brincam com as imagens dispersas
numa melancolia compassada que se escreve
e fazem vénias à saudade que alimenta a esperança da luz
a rua por onde passo tantas vezes não me viu




4 comentários:

  1. Bom dia, Henrique. Lindo poema! Hoje também escrevi sobre estradas. Depois eu posto. Abraços.

    ResponderEliminar
  2. Henrique,

    Hoje venho lhe fazer um convite! Estou escrevendo em outro espaço com mais amigos, pois o Infinito Particular desapareceu sem que eu consiga achá-lo.
    Já fiz de tudo, mas como não consegui resolvi blogar em outra página onde fui muito bem recebida.
    O blog é de excelente qualidade e muito bom gosto e sou autora por lá e posto regularmente. Se desejar visitar-me ficarei muito feliz e se quiser nos acompanhar será uma honra.
    Lindo dia e um enorme abraço!!!

    http://refugio-origens.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. A rua não nos vê, quando nós mesmos não somos capazes de nos ver...
    Belo poema!

    Beijinhos Marianos, Henrique! :)

    ResponderEliminar
  4. Saudade... Henrique, muito bom!

    ResponderEliminar