terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Austeridade


Por vezes não sabemos pedir ajuda
Deixamo-nos ultrapassar pela vida
Desbaratamos um momento
Não reparamos que tudo muda
Tropeçamos e falhamos na saída
Perdemo-nos em mais um lamento
Não examinamos o antagonismo
Anuímos numa cega concordância
Abandonamos toda a elegância
E fazemo-lo para não nos culparem por egoísmo.

17 comentários:

  1. Achas que o fazemos para não nos culparem de egoísmo?

    Eu acho que o fazemos por sermos incapazes de "pegar nas rédeas" da nossa vida/saúde/carteira/o que for.
    Mas também creio que tudo tem um limite, e que chegará a altura em que nos vemos obrigados a enfrentar as situações... por vezes é já tarde demais e estamos já submersos, e a responsabilidade é nossa que não soubemos pedir ajuda na altura certa.

    Vá, pronto, diz lá... que precisas? :))

    ResponderEliminar
  2. Creio que, «Por vezes [...]», sim.
    :))
    Creio que todos necessitamos, mais ou menos, de alguma coisa. Do que necessito, agora, creio que virá com muito trabalho, por um lado, dedicação, por outro, e, ainda com o tempo.

    ResponderEliminar
  3. *faltou-me uma vírgula... "[...] e, ainda, com o tempo."


    ;)

    ResponderEliminar
  4. Sim Henrique, sem trabalho e dedicação não se alcança nada de sólido :)

    Já o tempo, é aquela "coisa" que não se consegue controlar.

    Beijinho

    :)

    ResponderEliminar
  5. Temos o controlo sobre algum do tempo que despendemos, nomeadamente, com o quê ou com quem, em que quantidade e como. O restante está implícito em tudo, ou quase tudo, (nos ciclos da natureza, nos ritmos...), logo é um factor a considerar, por quem o quiser, como tudo, afinal. Podemos construir e desconstruir o tempo num acto criativo ou de desprezo, e sem nos aventurarmos, sequer, por teorias da relatividade geral (espaço-tempo).

    Beijinho
    ;)

    ResponderEliminar
  6. :)

    Que resposta!! :D :D
    Creio eu que tenho em consideração o tempo, mas nunca pensei em controlá-lo através do que pouco ou muito que despendo com alguem/algo. Até porque se o faço é por e com prazer. Algo a ponderar melhor :)

    ResponderEliminar
  7. E tenta lá colocar as virgulas na minha conversa, senão não vais perceber nada do que escrevi :D

    ResponderEliminar
  8. Cof, cof...

    Que mauzinho Henrique. :))

    ResponderEliminar
  9. Vá... era mais assim:

    Creio eu que tenho em consideração o tempo, mas nunca pensei em controlá-lo através do que (pouco ou muito) despendo com alguém/algo. Até porque se o faço, é por e com, prazer. Algo a ponderar melhor :)

    ResponderEliminar
  10. ;)
    Vai uma "rodada de gotas"? (Eu pago, com uma pirâmide de Toblerone.)

    ResponderEliminar
  11. :))

    Aceito com todo o gosto, não só pelo Toblerone como pela companhia :))

    E sim, as gotas fazem falta :D

    ResponderEliminar
  12. Pois, já nem respondes porque estás com a boca cheia de toblerone, estou mesmo a ver!!!

    :D
    ;)

    ResponderEliminar
  13. Olá Henrique passei apenas para deixar um beijinho. Boa noite. Espero que esteja tudo a correr bem com os teus.

    ResponderEliminar
  14. Boa noite, Noctívaga!
    Está tudo bem (dentro do possível). Espero que contigo também.
    Obrigado!
    Beijinho

    ResponderEliminar