domingo, 15 de janeiro de 2012

Quota-parte


     Mais do que uma maré de troça, permanece como uma constância e uma substância de contestação que vem e vai, de igual modo que os sargaços ao sabor das ondas. Mas não passa de uma repulsa empertigada. O flamingo-dourado é da mesma opinião.

     Horas, uma poção e uma porção de oportunidades. O moliço agudiza a objecção, embora embrenhado na tarefa de subsistir sob a contaminação que exorta em recusa. A água deixou de ser cristalina, continua a ser salina.

     Vontade! Desconsidero os símbolos de gerúndio gentio, os prefixos e os símbolos de ligeireza e mutabilidade procedentes da chegada da trachea atriplicis*, carregada de memórias do Vouga. Porque vem a assombração da borboleta, uma e outra vez, escarnecer sobre o confluir na Ria e o desembocar no mar? Talvez o mofar seja próprio da sua natureza, que não julgo, não detesto e não ridicularizo, mas não adoro, não reverencio e não amo.

     Agarro-me ao hífen sem grandes pormenores, enquanto os advérbios descansam, absortos do lugar, do tempo, do modo, da intensidade, da dúvida, da afirmação, da negação, em palhas e abraçados aos adjectivos.

     O néctar das flores permanece como caução de subsistência primitiva. Gosto das flores e é por gostar delas que não as colho!




*N.A.: Borboleta nocturna da família das noctuidae. 

5 comentários:

  1. [Sem destinatários. Trachea atriplicis - também designada por traça.]

    ResponderEliminar
  2. Olá Henrique!Fiquei triste com este post. Pareces revoltado, aborrecido com alguém, alguma coisa. Também não gosto de traças, nem do seu voo contínuo e do que me lembram... Espero que esteja tudo bem contigo e com os que amas. Desejo-te uma boa semana. Um beijinho grande!

    ResponderEliminar
  3. Olá, Noctívaga! As traças/borboletas fazem parte de lendas de vários povos. Por vezes associadas a prenúncios, a espíritos, outras vezes associadas ao renascimento ou recomeço, entre outros.
    Está tudo bem comigo, acredita.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  4. Mesmo nas coisas menos boas, existe um lado positivo. Cabe-nos a nós conseguir perceber qual.

    ResponderEliminar
  5. Sol:
    De acordo! Ou seja, concordo.
    Beijinho

    ResponderEliminar