quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

E hoje… (XVIII)


     … Caretas e sobrecenhos! Mitigo o frete decretório dos anais divisos com sorrisos!

     Reparto as formas visíveis e as invisíveis. Com nitidez, traço a grandeza da coerência e da lucidez. Não me falta arrojo, falta-me o chão.

4 comentários:

  1. Olá Henrique! E a mim ao ler-te. Será realmente obra de mestre traçar a grandeza da coerência e da lucidez num mundo de disfarces e de gente louca. Onde até nós somos um pouco dementes e por vezes pequenos quando queremos fazer a diferença em algo e não o conseguimos atingir. Um grande beijinho meu amigo obrigada por tudo o que me dás! É uma alegria ler-te, uma aprendizagem rica de linguagem, estilo e classe.Uma boa noite para ti.

    ResponderEliminar
  2. "Não me falta arrojo, falta-me o chão."

    A mim faltam-me as palavras ante esta frase.

    ResponderEliminar
  3. Eu é que agradeço, Noctívaga!
    Beijinhos

    ResponderEliminar