segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Descerramento


Já renascidos e restaurados os propósitos
Como provisores e grandes depósitos
Com os desígnios da recusada Lua
Com Inferno recebido e datado
Com a voragem reservada da margem
E em riste o sorriso da realidade nua
Segue em marcha de um perto destacado
Agrado de compleição e estável na passagem.

Sem jóia ou relíquia declarada
Obvio e oriento a conhecida afeição
Credível presente
Honrada e actual
Guia imediata
Salvo-conduto exacto.
Abertamente veiculador
Com um sorriso
Ninguém permanece só!

6 comentários:

  1. Olá Henrique! Tenho vindo por aqui, ver se sei se está tudo bem contigo e vi que escreveste. Li, e gostei embora me parecesse triste o que importa é estares bem e todos os teus. Deixo-te um imenso beijinho. Um abraço apertado! Até amanhã.

    ResponderEliminar
  2. :)

    E como orientas tu a afeição? Dá para fazer isso? :D
    Quando julgamos ter os sentimentos "controlados" é porque estamos muito enganados, sabias? :D

    Gostei! Um sorriso (mais um!) para que fiques (ainda mais!) acompanhado :)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Noctívaga:
    Olá!
    Um poema sisudo e conciso [«é o que é preciso!» :) ].
    Beijinho
    P.S.:
    Creio que estou bem e espero que tu também estejas bem.

    ResponderEliminar
  4. ===============================
    :D
    Sol:
    Pensei, "em jeito" de brincadeira:
    «Não sei se ria ou se chore...»
    :)))))
    Obrigado!
    Beijinho e um sorriso
    ===============================

    ResponderEliminar
  5. Ri, pois... a não ser que chores a rir, o que também deve ser muito bom ;)

    :D

    ResponderEliminar