terça-feira, 24 de julho de 2012

Corpo de conceitos


Onde estão esses anjos
De que falam a fio
Não estão no ar ou no fundo do rio
Não tocam arpas ou banjos
Não constroem nem produzem arranjos
Deixa passar o arrepio
Deixa desgrenhar o desafio

Indagas e reflectes
Sondas e Pensas
As sombras que adensas
Na luz que descomprometes

Na febre do arco-da-aliança
Vais para mais perto
Manténs-te desperto
E não se alcança
Projecta a dança
E contemplarás por certo
O teu deserto

Num corpo de conceitos
Procuras e procuras
Discernimentos e loucuras
Por sentidos insatisfeitos
Lanças injúrias e defeitos
Corres na urbe as ruas inseguras
Agarrado a linhas escuras


Sem comentários:

Enviar um comentário