quarta-feira, 4 de julho de 2012

Lágrima


Calculo que a lágrima se tenha perdido e esquecido;
Calculo que o brilho deste cinzento consentimento
Não se prenda ao que falta de um abrigo
De um afecto difundido no ar, por gotas preenchido,
Que se libertam de uma nuvem de entendimento
E se arrojam para a estrada de granito cálido, antigo.
Vejo o intento de uma fenda ambiciosa e sem sentido,
Que se dilata na superfície do caminho único que sigo
No propósito que se oculta sob um céu aliado e desconhecido.
O limiar deste destino, à beira do precipício de inertes,
Mudos e omissos sentimentos subjugados e disfarçados,
Que aguardam que um dia qualquer desperte e acertes.


2 comentários:

  1. "Vejo o intento de uma fenda ambiciosa e sem sentido,Que se dilata na superfície do caminho único que sigo No propósito que se oculta sob um céu aliado e desconhecido."

    Esse mesmo céu me esmaga...

    ResponderEliminar