terça-feira, 7 de janeiro de 2014

demarcação




eu e os suspiros roliços da vazante
numa enchente de harmonias casuais
em confronto com a lamúria ululante
da saudade no colo do amor absorto
e dos sargaços em danças vertiginosas
que se projectam ao sabor da corrente
na água zurzida pela lhaneza do vento
num prenúncio de viagem oca e rude
sob os olhares luminosos da nostalgia




2 comentários:

  1. Bom dia, Henrique
    Entrei aqui por acaso e gostei imenso deste espaço.
    Poesia com muita beleza, mas muito intensa, forte, real.

    Fiz-me seguidora para não te perder o rumo, e voltarei sempre que possível.
    Gostaria de te receber na minha «CASA».

    Um ano 2014 muito feliz.

    Beijinhos
    Mariazita
    (Link para o meu blog principal)

    ResponderEliminar
  2. Estou sem saber o que dizer... Intenso! Gosto! Lindo!
    Sinto-o tão intrincado e denso... Mas simultaneamente tão natural...
    Bjks

    ResponderEliminar