domingo, 5 de janeiro de 2014

emerso

  


sem conhecer o porvir da maré
as minhas emoções são um embargo
é hora de fechar um capítulo solto e livre
tão meu e eu
independentemente do ano
sem promessas ou enganos
importa o quê e quem
manifesto sem brilho no céu cerrado
num registo plácido e liberto
enquanto tangível
não é de ninguém
deixo-vos o tempo solto



2 comentários:

  1. Ontem pensei que também era o fim do blogue e fiquei triste.
    Na vida vamos fechando e abrindo capítulo e este fecho é uma abertura lindíssima!
    Bjks

    ResponderEliminar
  2. e é assim que se quer o tempo.
    solto. (sempre)
    um poema muito bom de muitos que agora li.
    um beijo
    :)

    ResponderEliminar