domingo, 2 de outubro de 2016

Coração


A ria amarrada ao cais, ao sabor da maré da praça 
com ondas adormecidas; o rumor das árvores 
com os silêncios de leitos vazios; pedacinhos de terra 
que sobrevoam a cidade sob a forma comum de aves 
tão diversas; o adeus do sol, que lava as distâncias 
que a noite já não poderá vestir; o recolher opcional 
das formigas das palavras… Instante suspenso, denso, 
que encontra a própria forma e determina o objecto. 
Imagens que patenteiam o amor visível aos olhos 
e que procuram os olhares para adormecerem serenas 
em outros contextos do céu que ascende pelos ramos 
do coração. Coração, uma outra forma manhosa 
de chamar quem se ama, ou de dizer: amor! 


 [massivo]



Sem comentários:

Enviar um comentário