quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Sentido único


Os lábios comprimem-se, como se pretendessem ajudar a suportar 
as imagens pálidas e vagarosas que parecem chegar em suores frios. 
Poderia dizer que a minha razão e o meu coração estão noutro lugar. 
Afasto-me das almas mais problemáticas, aquelas que se cegam e cegam. 
Que cidade é esta, onde vogam rostos fechados e imperturbáveis? 
Que parte de mim eu sou neste canto remoto e frio do meu ser? 
Hoje perdi as árvores, perdi a ria, perdi a vontade e o meu nome. 
E não é sobre mim, mas sobre coisas que eu, de alguma forma, experienciei. 
A luz vermelha, do semáforo, aguarda que eu passe. Aperto-a ao peito. 


 [massivo]



2 comentários:

  1. olhar atento, as pessoas estão frias e os sorrisos morreram nos lábios...é um facto

    :(

    ResponderEliminar
  2. Há dias em que passamos por eles no vermelho... de proibição de os lembrar...
    Depois há aqueles dias que nos enchem de esperança... que desejamos que durem para sempre... e que sempre passam tão rápido... vivemos para esses dias... para os poder abraçar... Só temos de saber esperar pelo verde...
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar