quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

apelo ao mar





deixa-me ficar um pouco mais nesta costa
sem tentar perceber a antipatia do mundo
sem tentar compreender a política insensível
alheado das estreitas fronteiras do espaço
absorto dos comprimidos limites do tempo
ausente dos esmagados confins das dimensões
impregnado de sentimentos e tumultos
promovidos pela consciência da miséria e da fome
pelos gritos produzidos na arbitrariedade e no despotismo
onde as palavras do meu universo são uma perda de tempo
um dispêndio inconsequente e inútil de energia
o relógio marcou o amor para qualquer dia




5 comentários:

  1. Entendo essa sensação de impotência, mas os teus versos, e de outros, já me ajudaram a salvar vários dias! E este poema, talvez de um momento de desconforto ou indignação, tem belas imagens poéticas e trás uma mensagem da esperança que pode surgir numa pequena pausa.
    Obrigada! Bom fim de semana!
    Bjks

    ResponderEliminar
  2. Sem palavras... SIMPLESMENTE MARAVILHOSO!

    ResponderEliminar
  3. Por vezes por mais que se tente não se encontra a rota rumo á felicidade, talvez seja o tempo o único conselheiro,bjs

    ResponderEliminar
  4. "onde as palavras do meu universo são uma perda de tempo"
    Não são. Gosto da forma como elas são lançadas na "antipatia do mundo".

    Abraço

    ResponderEliminar