segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

no fio de uma vida





quando as palavras adoecerem
quando os olhos deixarem de falar
quando os dedos deixarem de ver
quando perdermos a nossa vez
ainda assim
poderei viver como quem sonha
nas memórias que caem das nuvens
e deixam seca e calada a superfície do chão
para falar bem fundo no brado do centro da terra
que fica encharcado de reflexos e emoções




2 comentários:

  1. Nesse lugar, só nosso (de cada um de nós), é bom sermos nós mesmos, com esse fibra e garra!
    Foto e poema muito bons.
    Bjks

    ResponderEliminar
  2. tanto a fto como o poema são excelentes.

    :)

    ResponderEliminar