segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Acontece


Corre um vento seco de este;
Corre um boato sobre a minha quantidade;
Corre uma tristeza endógena de qualidade;
Corro contra o vento, o boato e a tristeza que infeste.
Corro, corro, corro preso a um mesmo lugar.

Corro, mas corro sereno.
Não me atropelo. Não é necessário temer,
Quando não pesa a mentira ou a verdade.
Ninguém se preocupa com o depois do pôr-do-sol,
Se, por um acaso, o ocaso escurece a alma
De um ensurdecedor silêncio de um vazio.

Corre uma loucura de esquecimento.
Não temam, pelo género, o género;
Não temam a liberdade e o livre arbítrio.
A vitória déspota é, apenas, um mando de ilusão.
Transforma a tua inanição numa vida;
A ocupação numa arte;
A vida e a arte numa referência verdadeira.

Corre um prazo vencido, num tempo desvalorizado;
Corre um triunfo omisso e falaz.
O cerne de um enfado superior, um misto de reveses,
Circula num rumor dissimulado.
Naquele sussurro escrito, emitido, fugaz.

Corre uma técnica eficaz para obter o esquecimento:
A evasiva frutuosa da retórica fantástica
No torpor integral de um paliativo demagogo.

Corre o submisso uso do costume.
Ó brando critério de análise,
A antífona ainda ecoa na ravina;
A ravina absorve a soma íntegra da inteireza;
A inteireza perde a recta justiça;
A justiça, que já era cega e vendada, é contrafeita;
Contrafeito vai, agora, o crédito.
Terá o eterno descanso das ondas do mar.

Corre um requisito desvanecido de conteúdo;
Corre o receio;
Corre uma adaptação de paz.
Estas são informações confidenciais:
Sou tão fácil de lavar.


6 comentários:

  1. Ai! Fico em extase. Tu é que és as próprias ondas do mar. Maravilhas e enterneces. Acalmas e dás vigor. O que dizer? Não me leves a mal e não é com sentido dúbio...Jamais o faria!!! De coração e usando a tua expressão: GOSTO!!! Muito, mas muito mesmo. És um poeta grande, e um grande poeta!!! Obrigatório Ler!!!

    ResponderEliminar
  2. Olá, Noctívaga!
    Sempre generosa e amiga. Obrigado!
    Um beijinho!

    ResponderEliminar
  3. Por vezes corre-se tanto que nos esquecemos de olhar para os caminhos que percorremos. Olhar com "olhos de ver" :)

    Faz correr o necessário (lá estou eu a levar isto para o lado pessoal!) mas não temas. O medo faz parar.

    ResponderEliminar
  4. ;)

    Mais correria, se tanto não visse. (Eu, a poetar).

    Concordo com o teu comentário.

    ResponderEliminar
  5. Não corras a olhar para o lado!! Olha a arv..... (PUM!!) ...vóre!

    :P

    ResponderEliminar