sábado, 3 de dezembro de 2011

Tempo emprestado


Pedi algum tempo emprestado;
Pedi desculpa, para não voltar a pedir.
Transformei os afectos num menir
E comecei o que agora dou por terminado.

Por muitas e boas intenções fui carregado
E, quando perdido me encontrei,
Não soube emendar o que desbaratei.
Não perderam a oportunidade de me deixar assinalado.

Com essa marca de um fogo alheio
Atravesso as linhas tortas que adoptei;
Trespasso o vazio preenchido
Pela desgraça de tudo quanto é feio.
Não sei quantas felicidades pulei.
Contrito, sou parte e um alter-ego dividido.

Não consigo devolver os instantes despendidos;
Não consigo reaver as desculpas das culpas
Que não existiram, nem os seus sentidos.

Os espelhos eram realidades invertidas;
Vaidades intolerantes de desinformação;
Medidas imprecisas de devaneios.
Os reflexos eram brilhos de luzes pervertidas
Em vórtices de demente excitação,
Logro de um prazer espinhoso e de arreios.

Fadado, de fado em fado,
Num fado que não é meu,
Sigo arqueado sem crença;
Sigo longe do agrado;
Sigo uma vontade que se esqueceu;
Sigo uma absolvição da sentença.

Do outro lado do rio sem vida,
Belo, silencioso, paciente,
Encontra-se o meu estranho barqueiro,
O da remada precisa e decidida.
Folgo em vê-lo sorridente
Mas hoje não vou ser o seu passageiro.


5 comentários:

  1. Olá! Não! Hoje não nem amanhã se o barqueiro for Caronte... deixa-o especado a esperar, troca-lhe as voltas e confia. Faz o teu fado conjugar-se nas estrofes desencontradas e faz das noites frias lindas e calorosas alvoradas. Acredita! (Logo eu que to aconselho)...Eu que me sinto perdida e com tão pouca confiança, mas ainda chega para (nem que eu pereça) te ajudar a ti. Com um grande beijinho numa admiração constante de quem adora ler-te. Obrigado por me deixares fazê-lo. Bom Domingo.

    ResponderEliminar
  2. Olá!
    Resta-me agradecer-te, não encontro outras palavras para vestir o momento.
    Obrigado, amiga!

    ResponderEliminar
  3. Desculpa a linguagem logo pela manhã: mas o tempo é lixado. A consciência e o pensar também.

    O tempo foi o teu tempo, que hoje tem lugar em ti, nas tuas memórias, na forma como encaras a vida,mas tens de prosseguir Tugazzar, tens de ter força para superar, para vencer...

    E isto de falar é muito fácil, eu sei.

    ResponderEliminar
  4. Olá!

    Eu, sempre "às voltas" com o tempo...

    ;)

    ResponderEliminar
  5. Se te faz sentir, de alguma forma melhor, não és o único.
    Podes andar à volta com o tempo, mas não deixes o tempo andar às voltas contigo...

    ResponderEliminar