quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Aptidão para experimentar sentimentos e emoções


Trivialidades. Presente, ouço sem grande ponderação.
Diligencio alguns reparos que se diluem na atmosfera casual;
Uns acenos e umas mesuras, espontâneos, para manter o ritual. 
São citações de ocasião.

Não responde à questão e não era isso que eu queria.
Foi breve, contudo, o desvio ornamento e hesitante,
Para bem da minha perseverança escassa e errante.
Emissão sem sintonia.

Já a quina esboroada assume e exibe o seu defeito reparável
(Notório e com solução). Ninguém sabe quem foi o autor;
Ninguém se acusa e a obra não denuncia, sequer, a sua dor.
Parece amável.

Não carrego queixumes ou lamentações empacotadas.
Forço o esboço de um projecto de felicidade, trabalhosa,
Que, da aparência para a ilusão, se torna ainda mais assombrosa.
Expectativas apontadas.

Mas não lhe tomo o gosto antes do tempo. Sereno,
Enquanto observo as formigas que invadem, apressadas,
A divisão cheia de mim e engulo o ar das palavras trocadas
No bocejo terreno.

Não desejo derrubar tanta azáfama dedicada e disciplinada;
Tenho a certeza de que, amanhã, não voltarão ao vazio.
Em fé, são as convicções que harmonizo e providencio
E que provêm do nada.

O suspiro, que fugiu do peito e que caiu na ria, desapareceu.
A sua ausência, notada, não é mais uma questão de vida;
É, sem dúvida, a dívida que ganhou força na sentença deferida
E que a precedeu.

Pergunto-me seriamente, a um canto, empobrecido:
«Quanto valerá um sorriso estampado na tua cara?»
Singular, pensando em mim na terceira pessoa, repara,
Tão isolado e distraído.

Hoje vou falar com Deus. E se ele não me falar?!
O pavor não é um amargo agradável.
Admirável.
  

9 comentários:

  1. São tantas as intrepretações que conseguia dar a este post que nem sei qual delas expressar ;) sol.

    ResponderEliminar
  2. Deixas-me sem palavras. Mais um poema que não se esquece. Um beijinho bom feriado. Espero que não estejas aborrecido comigo.

    ResponderEliminar
  3. Já agora: Só se quiseres por curiosidade não mais, claro...
    http://napenumbra.blogs.sapo.pt
    http://aoocaso.blogs.sapo.pt

    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Noctívaga:
    Acredita que não estou aborrecido contigo.
    Obrigado, pela visita, pelo comentário e pela atenção!
    Vou ver!

    ResponderEliminar
  5. Noctívaga01/12/11, 18:35

    Venho agradecer de novo toda a tua amizade e presença. O carinho de cada comentário. Obrigado. Além de admiração sinto a pessoa magnífica que és. Companheiro e disponível para ajudar. Um exemplo a seguir de ponderação e saber estar. Entender e acolher. Um bom amigo. Só posso estar feliz de te conhecer e agradeço a uma outra amiga querida através de quem te conheci. A ambos a minha gratidão. Tudo de bom. Sempre e em cada dia.

    Um grande abraço e um beijinho com carinho para ti

    ResponderEliminar
  6. Depois se um Sol que se eclipsou, encontro aqui a vida em poesia/prosa de quem sempre acreditou nas palavras e um pouco menos nas pessoas. Leitura minha.
    Abraço Tugazzar

    ResponderEliminar
  7. Obrigado, Noctívaga!
    Bem-haja!

    ResponderEliminar
  8. Olá, António!
    Uma leitura acertada, revejo-me nela. Guardo, principalmente, "quem sempre acreditou nas palavras e um pouco menos nas pessoas", cada vez menos. [Há excepções!]. Não o conseguia ver desta forma lúcida e precisa.
    Um grande abraço!

    Henrique

    ResponderEliminar