sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Considerações


Não há palavras que possam ser bálsamo sem ser lancinantes.
Não agora, neste momento de desolação confusa e desconfiada;
No rescaldo da fraude; na sequência de porfias desgastantes.
Opinião macerada.

Cerro os dentes, os olhos procuram o sargaço e o nada.
Ainda joeiro os ditos sobre a sobriedade da poesia que advogam,
Onde só cabem flores, lavores padronizados, amor;
Onde a contrariedade, ainda que em dor atroz, é ornamentada;
Onde há palavras banidas e fórmulas que se rogam;
Onde o verdadeiro carácter e a verdade não convêm ao fulgor.
Beleza infundada.

Tanto sofrimento só pode ser inato, natural,
Mas não o quero, aceito-o com contestação.
Há dias em que me sinto fantástico e genial,
Noutros suplico aprovação.

Vem do vazio, que transporto, e da solidão,
O meu pesado pesar, que não vez.
Vazio que não consigo afastar, mas tento.
Cresce por entre a falta de razão,
Num rótulo gasto, e sempre igual, de falta de intrepidez,
Que me concedes em honra, sem olhar, sem alento;
Por provocação.

Ah, como sou forte aos teus olhos,
Para que, assim, me negues os amigos
E lances aos entraves e aos escolhos.
Procuro abrigos.

Revivo ânsias fundamentadas e desassossegos antigos,
De bolsos vazios, sem créditos e sem valores afiançáveis.
Tão longe de um futuro promissor, já passado,
Relembro e transporto ilusões, fantasmas e perigos;
Recordo as promessas feitas e desfeitas, incontornáveis,
Afastado da rota e chamado por um apelo arrazoado,
Adenso o magote de mendigos.

Fechado num abundante e desigual excesso de autoridade,
Reduzido a presença e a parecença de um mero espantalho,
Resta-me o simples, mas valioso, laivo de sanidade
E o sabor do orvalho.

Fertilizas o avilte, arrojas o escárnio e o enxovalho.
Sabes que não há provas físicas para a dor da alma,
Que já quase não sente; que já não conheço.
Sigo o trilho, para não mandar tudo para o atalho,
Certo de que para o teu propósito não haverá palma.
Corro, sem socorro, e mais me afasto e desmereço.
Impedem-me o trabalho.

Como tudo é tão fácil visto de fora.
Bastar-me-ia o silêncio para a dignidade
Ou uma atitude reactiva e sem demora.
Celeridade.

Luz. Como me fere, e me faz falta, tanta claridade,
E os sorrisos e os risos que me despertam o choro de alegria.
Os poemas não têm preço e o poeta recebe uma esmola.
Abençoada esmola de consolo, de gozo, de infelicidade;
A compreensão e o afago, contidos numa áspera alegoria,
Que foge, salta, vai, vem, atinge, volta e rebola,
Na maior serenidade.

Também existo feliz, afortunado e em formato encantado,
Onde não me afadigam as vertentes e outras propostas;
Onde bons afectos, sentimentos e sentidos crescem lado a lado,
Espontâneos, sem classes impostas.

Vocês, não pensem que é tão simples virar as costas;
Magoar inocentes num gesto legítimo de libertação;
Viver cobardemente por não agir ou por tentar a prazo;
Encontrar sempre, para qualquer pergunta, duas respostas,
Infinitamente verdadeiras e excessivamente em contradição;
Coabitar com a existência e com o termo de um ocaso;
Conter realidades opostas.

Não conheço todos os caminhos que me precedem;
Ignoro a importância dos riscos apontados.
Sei que fujo das firmezas que apoiam e, igualmente, cedem.
Os modos estão magoados.


9 comentários:

  1. Olá Henrique! acho que não resisto a continuar longe. Como se pode? É como dizes não sendo quiçá o mesmo mas no fim deste teu poema ..."Vocês, não pensem que é tão simples virar as costas;
    Magoar inocentes num gesto legítimo de libertação;..." Li. Bebi, respirei as palavras e senti-me acuada. Sufoquei, presa de mãos imóveis. Ainda só nem há 24 horas parei e dói-me não escrever. Acaba comigo. Amigo um beijinho muito doce. Vou maravilhada. Vou pelo trilho pensando se não mando tudo para o atalho e pense quem quiser o que pense... Escrever está em nós. Mal ou bem não importa (tu muito bem claro) eu não é isso que procuro. Não são aplausos é forma de estar, de ser...De ser eu. Um abraço imenso. Fazes-me bem!!! Obrigado. Bfsemana

    ResponderEliminar
  2. Amigo espero que estejas bem. Deixo-te um beijinho bom fsemana!

    ResponderEliminar
  3. Obrigado, Noctívaga!
    Um bom fim-de-semana para ti também.
    ;)

    ResponderEliminar
  4. Noctívaga19/12/11, 00:08

    Olá Henrique, boa noite vinha ver se tinhas escrito para me deliciar a ler-te, mas assim sendo deixo um beijinho e um abraço. Uma excelente semana a caminho do Natal.

    ResponderEliminar
  5. Que a magoa não te impeça de continuar.
    O sol nasce todos os dias, mesmo quando não o vemos.
    Beijo

    ResponderEliminar
  6. Passei, não para dizer que estranho a tua ausência (embora sinta a tua falta) mas para te desejar um Feliz Natal, que os teus desejos sejam cumpridos e que o teu Natal esteja repleto de sorrisos, união e muita paz.


    Abraço apertado.
    Feliz Natal.

    ResponderEliminar
  7. Olá Henrique! Venho mais uma vez desejar um Natal muito feliz com tudo de bom! Muito amor, paz, e saúde para ti e todos que amas e agradecer todo o carinho e amizade que me tens dado. Deixo um beijinho muito doce e um grande abraço. Peço também desculpa por ter fechado os meus blogs (Na Penumbra e ao Ocaso) de momento irei reflectir um pouco. A época é bastante exigente e por ora não voltarei a escrever tão depressa, embora este da blogger permaneça, os outros dois no Sapo. Obrigada de coração por tudo amigo Boas Festas. Tudo de bom para ti!
    Obrigada mesmo!!!

    ResponderEliminar
  8. Olá, Sol!

    Também te desejo um Feliz Natal.

    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  9. Olá, Noctívaga!

    Obrigado, amiga! Que tenhas um Natal muito feliz.

    Um abraço

    ResponderEliminar