segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

extravagância de inverno


"reminescência" - aveiro | portugal



o dia líquido resume-se à capacidade da ria. 

as feridas, mesmo quando o são sem nunca 
o ter sido, são atalhos de imaginar caminhos. 

eu, como que hiberno num poema azul, 
na folha onde tudo acontece. 
poderia hibernar no grão de um fotograma, 
por engano, no cumprimento da pena 
por amar de madrugada, no inverno. 


 [palavras relacionadas]


3 comentários:


  1. Uma foto e um poema extraordinários.
    Bjks

    ResponderEliminar
  2. gosto muito da foto, pela sua originalidade e qualidade(muita) mas o poema é demasiado sedutor.
    e que todas as madrugadas de Inverno sejam feitas de amor (muito).
    uma boa semana.
    beijo
    :)

    ResponderEliminar
  3. Pois, são peixes, que nadam no teu céu?...
    O poema e a imagem, estão excepcionais!
    Está no meu top, por aqui, este teu post!
    Adorei esta tua extravagância... talentosa em imagens e palavras...
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar