domingo, 31 de janeiro de 2016

limpeza




já o tenho dito e escrito, de formas diferentes: 
há sempre uns poemas tortos, com linhas 
muito próprias e caprichosas. e aqueles que, 
sob pretexto ou forma alguma, não se deixam 
alterar ou concluir. 

andei a arrumar as gavetas e a lamber as feridas 
que se abriam ao abrir os cadernos largados, 
há muito, por ali. e também me doe o rosto 
por tanto sorrir com a felicidade interrompida, 
ou consumada, e que saudosamente pulava 
dos papeis avulsos para se hospedar em mim, 
de novo. eram, contudo, e apenas, indícios. 
pistas que ficaram sós. 

os momentos, as circunstâncias e os contextos 
materializavam-se. na realidade, e no fundo, 
eu fui muito feliz. 

mas era chegado o tempo de dar algum futuro 
ao papel sofrido, onde mal tocava o passado 
e com tão pouco presente. 


 [palavras relacionadas]


5 comentários:

  1. Quando é chegado a hora dessa limpeza que o coraçao aperta... e vamos enrolando mais o tempo...faxina no coraçao nao é facil...

    ResponderEliminar
  2. Tenho que me lembrar de rasgar alguns cadernos...

    ResponderEliminar
  3. Sendo lúdica, enquanto leio, imagino que essa limpeza possa ser sofrida mas libertadora. Muito belo.
    Bjks

    ResponderEliminar
  4. É preciso fazer espaço para o que realmente importa, amigo poeta.
    Boa faxina.
    Abraço
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar
  5. Também precisa mesmo, de arrumar as gavetas da papelada... onde ficam os pensamentos inacabados... e vou deixando sempre para outro dia...
    Mas por aqui... foi mesmo limpinho! Mais um post, que adorei ler! Em que os teus papeis sofridos, foram resgatados para o futuro...
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar