sexta-feira, 4 de março de 2016

coisas da ria


aveiro
aveiro | portugal


a ria falou numa linguagem primitiva, 
ávida por contar a vida que lhe treme 
num arco de marés de silêncio secular. 
enquanto falava, tacteava o ar e seguia 
as ondas de frequências de sons polifónicos, 
imediatos, de descodificação improvável. 
entendi que falou dos sonhos no seu ritmo; 
dos meus sinais no crepúsculo a respirar 
poemas ao sabor das palavras surpresas; 
do pudor das sombras ao tocar-nos a pele. 
nem ousei interrompê-la em mais do que 
o necessário para a seguir e compreender. 
hoje, se lhe contasse o meu sonho com duas 
luas em quarto crescente, ficaria em silêncio. 


 [palavras relacionadas]


1 comentário:

  1. Pois... uma declaração de amor lindíssima... a uma cidade, que é deveras bonita e inspiradora, pelo tanto que tenho apreciado, nas tuas fotos, como esta... uma imagem nocturna, com uma iluminação encantadora, e um espelho de água mais que perfeito...
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar