quarta-feira, 30 de março de 2016

na zona estreita da primavera




na zona estreita da primavera, que procura, 
ainda, o seu trilho e ponto no ano que espera 
ser salvo, o dia, paciente, guardava um silêncio 
temerário até à chegada da chuva e do vento, 
obstinados, vigorosos, e suas consequências. 
coisas que, por si só, poderão não fazer uma 
grande diferença. não me roubou a fé ou 
a esperança em dias maiores, melhores, mas 
sim o horizonte imediato, que se encheu 
de água, assim como o caminho, e as coisas 
aparentam ficar fora do lugar, apensas 
ao sentimento de ter que enfrentar esses 
versos agrestes a cair na cidade, aveiro, 
na premência de partir quando se quer ser 
remido e rimado pela poesia. mas, talvez, 
possas vir, tu, salvar-me esta quarta-feira. 


 [palavras relacionadas]


2 comentários:

  1. entretanto e graças à chuva, a Primavera florescerá.

    ResponderEliminar
  2. Por vezes, em dias "cinzentos", espera-se a "salvação", a "redenção".
    Sinto um desassossego latente e uma procura de bonança na intensidade do poema. :)
    Bjks

    ResponderEliminar