segunda-feira, 14 de março de 2016

mostro


porto | poetugal


a gaivota declama na oscilação do dia. 
sente-se a inocência das ruas de março 
à procura do burburinho no semblante 
de quem atravessa, antecipadamente, 
uma ponte mágica, de rosto contra 
o favorável ar nostálgico e povoado 
do acentuado arrefecimento nocturno, 
perceptível no crepúsculo prolongado. 
o porto, em crescente e a ocupar o lugar 
da alma à flor da pele, ao sair da ponte, 
ao entrar na noite e a incorporar sinais  
da felicidade que acorrem, a tempo, 
à superfície dos pensamentos concretos, 
que ultrapassam a dimensão da cidade. 


 [palavras relacionadas]


1 comentário:

  1. A imagem não poderia ser mais adequada ao poema... que nos mostra que o crepúsculo... não é o fim de um dia... mas o principio de um dia verdadeiramente feliz... para tanta gente... quando finalmente tem a oportunidade de partilhar um pedacinho de dia... junto de quem mais gosta... ou de quem terá mais afinidade...
    Excelente post, como sempre, por aqui!...
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar