segunda-feira, 25 de abril de 2016

os cravos




os cravos murcham na primeira pessoa 
da solidão, do sofrimento, da alienação, 
da pobreza... mas em liberdade, naquela 
liberdade que conseguem imaginar. 
não me sinto capaz de os colher 
e de poema na lapela, em seu lugar, 
trabalhei como quem comemora, 
como quem é livre, ou com a aparência 
que lhes presumo, na delicada felicidade 
de me emaranhar. 


 [palavras relacionadas]


1 comentário:

  1. Uma alternativa muito bonita aos cravos, que não desejaste colher, para não os ver murchar, em palavras...
    E na imagem... a praia com mais cravos, por metro quadrado... (na forma de conchas)... que já vi...
    Uma celebração bem diferente, mas de que gostei imenso, deste dia, e ao teu jeito, por aqui...
    bjs
    Ana

    ResponderEliminar