segunda-feira, 27 de junho de 2016

tempo que vai





chegado ao nenhum sentido, talvez igual, 
a pobreza de quem escreve é, 
para além de não ter o que comer, 
ficar só e não ter o que escrever, 
[escrever que o ter não e só ficar…] 


 [elipse]


Sem comentários:

Enviar um comentário