quinta-feira, 19 de maio de 2016

da parte silenciosa dos dias


praira da barra- ílhavo | aveiro | portugal


gosto da parte silenciosa dos dias, 
sem hora certa e sem local definido, 
que a pele também conhece, 
e gosto de me desperdiçar nela. 
mesmo quando essa parte está prostrada 
aos caprichos das gaivotas, ou de uma 
qualquer planta orvalhada. 
pode não ser, exactamente, o silêncio, em silêncio, 
e a nossa presença pode não ser necessária. 
já a encontrei na secção dos congelados, 
entre favas, ervilhas e castanhas piladas. 
mas foi em ti que mais me arrepiou, 
quando olhei para os teus pés com amor. 


 [palavras relacionadas]


2 comentários:

  1. Uma presença congelada... pra se manter bem conservada!... :-D
    Um poema intenso... com um leve toque de humor... nesta bela declaração de amor...
    Adorei a imagem! Virei por estes dias, no fim de semana, ver o que andei perdendo por aqui, últimamente!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar