segunda-feira, 9 de maio de 2016

inexistência imprevista


meia laranja, praia da barra - ílhavo | aveiro | portugal


desconheces a origem da tristeza e da angústia
que te assaltou o dia como uma onda interminável
e que te deixava como espuma dispersa na areia da praia,
exposta aos caprichos constantes do vento quase táctil.
a tarde desliza, célere, para o outro lado do paredão,
enquanto ondulas nos seus gradientes terminais:
o horizonte mélico, da aparência ao som, que tomas
como paliativo.

crescem umas derradeiras palavras num afago
de tempo que te trespassa como se fosses ar.
uma inexistência que não previas.


 [palavras relacionadas]


Sem comentários:

Enviar um comentário