segunda-feira, 23 de maio de 2016

foz




pinto-me com uma sombra, 
onde chegam alguns raios de luz. 
as decisões correm para o mar, 
não há quem resgatar, 
não há ninguém para as trazer de volta; 
não há quem me resgate. 
não fico a lamentar-me, não me lamento, 
não é um lamento. 
pedir desculpa de quê? 
chegar à foz é um possível final feliz, 
e eu estou a chegar. 
eu estou quase lá… 


 [palavras relacionadas]
(fim)


2 comentários:

  1. E que a foz, seja apenas a nascente de uma outra etapa... sempre com um um belo horizonte, em frente... para prosseguir viagem...
    Adorei o poema... e a imagem, está linda!
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar