terça-feira, 5 de janeiro de 2016

marés


aveiro
aveiro | portugal



o homem, todo-poderoso, 
a consentir a natureza: 
a ria entregue à urgência 
das marés. 
e poderíamos ser nós, 
eu e tu, 
entregues à natureza urgente 
dos abraços. 


 [palavras relacionadas]




2 comentários:

  1. Ah, a ria de Aveiro... só em versos é possível descrevê-la :)

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente, o homem actualmente, parece mais apostado, em destruir a Natureza... do que em consentir a sua presença... mas adorei essa natureza consentida da ria, abraçando as duas margens... em palavras, e na imagem!... Que está um show, repleta de motivos, que nos prendem a atenção, com todos os elementos, muito bem distribuídos, na mesma...
    Beijinhos!
    Ana

    ResponderEliminar