sábado, 26 de novembro de 2011

Crepúsculo maior


Encontro a luz que me ensombra,
Procuro a razão que não quero encontrar.
Quero a Terra firme e o oscilante Mar;
Quero o calor do Sol e a frescura da sombra.
Vou contemplar o que quero ver, sereno;
Olhar e ver, apenas, o que a vista alcança;
Dançar a dança que não queres dançar em pleno.

Hoje vamos soltar a vontade,
Vamos errar sem destino, sem origem.
Deixa-te possuir pela revigorante vertigem
De ter e de perder a solene veleidade.
Perde os sentidos num recato que se descerra,
Em abraços dos meus braços, sem esquecer,
Que, depois da subida, teremos que descer a serra.

Encontro o boiar sobrevivente do que eu sou,
Lado a lado com o submergir da caricatura que não quero.
Soltei amarras, a terra e o mar. Sincero, coopero.
Quase tudo numa só cor, nada mudou,
Num bailado, que não é meu, perpétuo e constante;
Quase lembrado numa só memória, é bom,
Sem fobia, abrandar e mergulhar no ensejo reconfortante.

Hoje vamos viver o hoje no tempo certo,
Numa medida que se impõe exacta,
Numa ordem natural que se acata.
Numa corrente de alegria, quero-te perto
E esquecer as horas da noite sem anoitecer.
Anima a paz deste coração em guerra.
Quero-te, mulher, que posso querer.





7 comentários:

  1. Lindo! Maravilhoso. "...Anima a paz deste coração em guerra.
    Quero-te, mulher, que posso querer."

    Todo ele é beleza mas esta frase é um marco. Esta outra ..."Perde os sentidos num recato que se descerra,
    Em abraços dos meus braços, sem esquecer," um sonho. Quem poderá esquecer uns braços que nos envolvem e nos mostram amor. Nos fazem sentir especiais e queridas. Agora sou eu que fico a sonhar acordada. Um beijinho. Obrigada pela tua visita e obrigado por escreveres. Bom Domingo um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Olá, Noctívaga!
    És muito generosa.
    Este é, essencialmente, um poema de amor, mas, também, de amargura serena, que gostei muito de escrever.
    Obrigado!
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  3. Olá. Venho agradecer-te a tua visita, pedir desculpas se hoje estou um pouco mais negra, acontece-me. Tenho um blog no Sapo que talvez transfira para aqui, para o meu e fico assim sem nenhum lá. Tem poemas deste género e irei transcrevê-los aos poucos. No fundo tenho de escrever sem pensar em condicionalismos e pelo prazer que me dá escrever. Seja que género for, não achas? Por vezes receio um pouco o que os outros pensam, mas deverei fazer o que eu me sinto bem a fazer é assim que penso. Agradeço de coração as tuas palavras e acredita que adorei este poema. Não te faço elogios gratuitamente. Gosto mesmo, mas mesmo muito de te ler. Boa semana. Um beijinho grande.

    ResponderEliminar
  4. Olá! Não tens que me pedir desculpa, eu adoro os teus poemas e os teus comentários.
    Parece-me uma boa ideia, optares pela transcrição, em detrimento da importação do blogue, assim dás uma segunda vida aos poemas. Também concordo que deves escrever com gosto, ao teu gosto, genuína e criativa.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  5. Há dias em que queremos apenas viver, sentir.
    Algo nos impele, nos move.
    Houvesse mais dias assim...

    ResponderEliminar
  6. Hoje estás carregada de reticências!
    :)
    Há dias com Sol e há dias sem Sol.
    ;)

    ResponderEliminar
  7. Se todos os dias fossem iguais não tinham graça nenhum.
    Eu também tenho dias, e os dias em que só sei que nada sei são dias de muitas reticências.

    ResponderEliminar