segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Extensão indistinta


Aguardo o meu espaço sobre a hora,
Não consigo deixar de ouvir os murmúrios
E as lamentações que me emolduram.
Vejo o dissipar do dia que me demora
E pressinto a chegada dos perjúrios
Que prometem não deixar presente alheio;
Garantem não faltar inteireza e receio.

Alguém confessa ser imparcial; confidente,
Sem guardar segredo. É porta indiscrição,
Afinal. Continua na sequência divergente.

Ao lado espera-me a encantadora calmaria
Com uma estupidez lívida plasmada
Nos olhos semicerrados de envaidecimentos:
A noite, que iguala o céu à ria lisa e em agonia,
Quase se prolonga e adia até à minha morada;
Brinda-me a cor à nução e aos discernimentos.

21 de Novembro de 2011



nução nome feminino 1. assentimento; anuência 2. vontade; arbítrio (Do latim *nutiōne-, de nutu-, «movimento afirmativo de cabeça»?) - Porto Editora

5 comentários:

  1. Olá. Gostei imenso porque também a mim me sobram coisas demais e outras faltam e ainda mais que nem conheço mas existem e não sei se me fazem falta porque no meio de tudo por vezes é bom ser ignorante da maior parte.Um grande beijinho

    ResponderEliminar
  2. Não vou dizer que entendi na sua plenitude o contexto deste post. A "tal falta de informação" não me permite fazê-lo. (não é uma reclamação, mas sim uma constatação!), mas noto nele (no post e em ti) réstias de tristeza e desilusão.

    ResponderEliminar


  3. Verniz Negro:
    Agradeço a visita e comentário.
    Um beijinho

    ResponderEliminar


  4. 2linhas:
    Há, de facto, réstias de tristeza e desilusão.

    ResponderEliminar
  5. Há que arranjar forma de superar esses sentimentos.

    ResponderEliminar