terça-feira, 29 de novembro de 2011

Endosso


Devo arrastar esta criação que investi.
A minha caminhada vai ao teu encontro,
Ainda que o meu encontro não seja em ti.

Determino o desejo, resoluto,
Investido em razões indistintas,
Numa ética antiga, de poucas tintas,
Por princípio próprio e absoluto.

Dispõe do tempo que não ocorreu
Em cadência de adivinha.
Junta a tua palavra a minha;
Junta o teu corpo ao meu.

Quero carregar esta obra que desafiei.
A minha jornada avança em teu sentido,
Ainda que o meu sentimento não seja lei.


7 comentários:

  1. Olá obrigada por mais um lindo poema. Hoje é o nevoeiro não só lá fora mas que me engole as lágrimas que caem em catadupa... E eu que me perco também sem me encontrar e tudo o que escrevo me parece desbotado. Um beijinho fica bem e obrigado pelas visitas.

    ResponderEliminar
  2. Gosto de (te) ler e reter as frases que mexem mais comigo, como:

    “Junta a tua palavra a minha;
    Junta o teu corpo ao meu.”

    Mas dificilmente consigo conjugá-las com:

    “A minha caminhada vai ao teu encontro,
    Ainda que o meu encontro não seja em ti.“

    Há um todo que gosto que exista. Ou que se crie. Mas é apenas uma opinião meramente pessoal. Ou então não entendi nada do que querias expressar ;)

    Um aparte: Seguindo uma lógica (minha, e possivelmente errónea) quando se republica um post é porque novamente ele nos faz sentido.
    Adequa-se ao momento.
    O que quero dizer com isto? Nada... demorei tanto tempo a pensar nisto que me esqueci do sentido. Fica a nota, apenas.

    ;)

    ResponderEliminar
  3. Entendo-te perfeitamente, Noctívaga.
    Obrigado!

    ResponderEliminar
  4. Olá, Sol!
    Os versos iniciados por "junta…" retractam o desejo consubstanciado num pedido, não acto ou uma consumação. Já a "minha caminhada", o trilhar de um caminho com um objectivo de encontro, aponta para uma acção que se vai construindo; não é a garantia de encontro perpétuo em comunhão, ou de uma união infinita, ou de uma constância ("Ainda que o meu encontro não seja em ti"): o encontro metafísico poético do amor. Para além do caminho não ser de todo físico, não está de todo construído. Não significa, contudo, que se desista, só porque existe a possibilidade de falhar. (Por exemplo, na vida temos a morte por garantida, o que não significa que me deva matar, de imediato.)
    A tua opinião, em função da tua realidade (vivência / experiência, cultura / conhecimento…) é tão válida como a de qualquer outra pessoa e eu respeito-a e aprecio-a.
    Este blogue não é um diário, e transcrevo um excerto do texto sobre o mesmo (blogue): «Este blogue tem por objectivo prioritário desencadear a reflexão e a agitação da mente e do intelecto, pela partilha de emoções, afectos, sentimentos / sensações, conhecimento, vivências e reflexões, a partir, e maioritariamente, da criação e publicação de textos (em prosa ou verso) e imagens originais, como, também, pela possível divulgação de acontecimentos, factos e utilidades (nacionais ou internacionais), compreendendo, sobretudo, a apresentação de algumas imagens, textos (em prosa ou verso), vídeos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, nomeadamente, páginas na Internet, publicações literárias ou de órgãos de comunicação social, cuja origem tentarei sempre referenciar. […]»
    «Este é, portanto, um local de inquietação, onde o imaginário pode ser real e o real pode ser imaginário. Aqui respeita-se a opinião e o livre pensar com respeito.
    Os meus “posts”, as minhas entradas, ultima e maioritariamente são uma espécie de textos criativos (para reforçar, em itálico, com o intuito de não ofender os verdadeiros) em prosa, prosa poética ou verso. Creio que já o comentamos antes mas, a republicação ocorre, aqui, como algo próximo da edição de uma antologia, numa reaparição datada (e quase sempre apontada, sem necessidade de ser ostensiva, apenas para reforçar a honestidade), um voltar a partilhar algo que foi significativo, pela positiva ou pela negativa.
    Não entendas esta resposta como um sermão, é um diálogo.

    ResponderEliminar
  5. Li, não como sermão :), e também já tinha lido a página "Sobre o blogue" mas...pronto, deixa lá.

    Há dias complicados...

    ResponderEliminar
  6. Pela minha parte, em relação a ti ou a outros bloggers, está tudo em perfeita paz.
    ;)

    ResponderEliminar
  7. Não pensei o contrário Tugazzar.

    (Faltam as palavras)

    ResponderEliminar