sexta-feira, 11 de novembro de 2011

O fardo da noite


O fardo da noite

Nuns versos descarnados, em acto inacabado,
Recolho os fragmentos de um brio caído,
Mas sempre em construção e em sentido.
Procurei saber para onde vou tão apressado,
Sem conseguir obter uma razão ou fundamento.
Já sem pressa, mas com urgência em dormir,
Carrego o peso do desconhecido, num lamento.

Apago a luz, respiro fundo, fecho os olhos.
Fico a sentir o frio da cama.
Abandono-me no escuro, que não me engana, nem ama,
Cansado de um dia sombrio e cheio de escolhos.
De olhos fechados, ao abandono,
Tento ser fiel aos meus princípios e sentidos,
Dispondo das palavras e ideias sem dono.

Arruíno a frase da prosa, com a proposição,
Poética e, despudoradamente, propositada.
Sentença da alheia sentença, minada e mimada.
A noite envolve-me em absoluta desproporção,
Fiel a sua grandeza e antiguidade.
Acomodo o corpo, com a mente torturada,
Não durmo, não descanso e perco a serenidade.

Por cada letra ou palavra, na ideia alinhavada,
Percorro vários caminhos, de forma indecisa.
Procuro-te, longamente, sem direcção precisa,
Numa ânsia de abrigo e protecção ajustada.
Não tenho medo da escuridão, 
Não sou um protagonista audacioso,
É esta angústia existencial, sem alegação.


6 comentários:

  1. Já te tinha dito que gosto muito da tua forma de escrever, de semelhanças que encontro e em coisas minhas que penso e fico assim a modos que encantada. è lindo a forma como te exprimes e tocas os sentimentos e além de poesia os transformas em música. Como lendo podemos ter a sensação de estar contigo e rever a acção, a insónia, a instisfação, mas a vontade férrea, pintada em breves traços por alguma esperança alianda a alguma desilusão, como é difícil e ao mesmo tempo incómodo sentir demais...Viver em pleno e inquirir-se a tempo inteiro. Adorei. Se calhar também falei demais e estou a ver coisas como sempre onde não as há... Já agora tens um bocadinho das tuas gotas que me dispenses? :)Um beijinho. Bfsemana.

    ResponderEliminar
  2. Não vou comentar para não estragar a beleza e o sentido destas palavras.

    :)

    ResponderEliminar
  3. Verniz Negro:
    Olá!
    Obrigado, pela visita e pelo comentário.
    De facto, por vezes, é incómodo estar e ser tão consciente, tão acordado.
    Não te alongaste. Gosto dos teus comentários.
    Em relação às “gotas”, como são virtuais e inócuas, dispenso-te a quantidade que necessitares.
    :D
    Um beijinho!

    ResponderEliminar
  4. 2linhas!
    ;)
    Não estragas!
    Obrigado pela visita!


    :)

    ResponderEliminar
  5. Olha que não sei... :)

    P.s. Escrevi-te para a conta que tens algures aqui neste blog, não sei se viste, provavelmente sim, mas... nunca se sabe.

    ResponderEliminar


  6. ;)


    Não tinha visto mas já vi, entretanto, e já respondi, "de imediato".


    :)

    ResponderEliminar