segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Fala-me mar [O mar não fala (?!)]


Fala-me mar [O mar não fala (?!)]


E o mar falou-me de ti
E falou-me das cores
E das flores das Flores.
Falou-me do que não vi.
Falou e cantou salteado
No seu contínuo vai e vem
De fôlego mareado.


E atento, e só, não entendi
Que dele ouvia rumores,
Por íntimos humores,
Em sentidos que perdi
Com um olhar alheado,
Num breve instante, de alguém
Que já foi apaixonado.


E o mar falou-me de ti,
Avivando os rubores,
Enquanto um Sol de ardores
Caía na linha que bani,
Por mágoa e angústia, também.
Horizonte sempre ali
Mas, sempre, sempre tão além.


Fala-me mar, diz-me mais,
Sê confidente e amigo.
Serei um porto de abrigo,
Mesmo nos temas banais.
Mostra-me o que não vejo,
Como só tu sabes, mar,
Patrocina-me o ensejo.


E no embalo balanço.
Ouço-te, claramente,
Num murmúrio contente,
Completo no remanso.
Cursa, esbarra na barra,
Agita o meu interesse
E renova-me a garra.


E tu flor, das Flores que és,
Desconheço-te traços,
Formas, teus embaraços.
Trouxe-te o mar nas marés,
Tua amizade e consolo,
Meu mantimento vital.
Sou um sargaço sem dolo.


4 comentários:

  1. E quantas vezes o mar não nos fala, tudo nos conta sem nada nos dizer...

    ResponderEliminar


  2. Eu gosto das minhas "conversas" com o mar e de ficar a vê-lo a brincar.

    ResponderEliminar
  3. Adoro o mar é das coisas que mexe mais comigo. Já muitas vezes falámos ele me ouviu e "respondeu" com aquele seu afagar de pés o lavar de alma e até como um conselheiro e apaziguador suportou as minhas lágrimas e as misturou com o seu sal. O mar centra-me! Se estiver muito "destabilizada" ficar a olhá-lo com aquela imensidão toda a calma do ondular e a presistência das ondas em beijar a areia é o mais bonito gesto de amor. São dois amantes a areia e ele. E nós somos testemunhos dessa história de amor e pensamos nas nossas, os nos desencontros e veja-se...Fazemos poesia e fazemos-lhe poesias. Gostei muito. A seguir ao mar para mim é a floresta... é paz, é vida, ar puro, mistério...Enfim quiçá o regresso às origens. Beijinhos. Boa semana

    ResponderEliminar
  4. Olá, Verniz Negro.
    Gosto do burburinho da cidade e das comunidades urbanas mas, viveria feliz, apenas, do ou no campo e/ou do ou no mar.
    Boa semana

    ResponderEliminar